Amor à profissão: banca do Roni é uma das campeãs de venda no RS

Banca na ativa há 15 anos é uma das campeãs de venda no Espírito Santo

Ronison dos Santos Silva, de 33 anos, mais conhecido como Roni, jornaleiro desde os 18, é casado com Cristiane Pereira, com quem teve dois filhos: Lucas e Alice.

Nascido em Colatina, no Espírito Santo, Ronilson começou a vida vendendo chocolate em bares e outros comércios da cidade e foi a partir daí que todos passaram a conhecê-lo e começou a conquistar a confiança de seus clientes.

Anteriormente, trabalhava como office boy, mas foi como jornaleiro que Ronilson teve condições de construir a casa onde vive com sua família e pagar sua faculdade de direito. “A renda como jornaleiro me ajuda a manter minha família e viver de uma forma digna e honesta. Trabalhamos de uma forma bastante ligada ao cliente , procurando sempre mantê-los bem informados. Sou muito grato a profissão que amo de paixão”, fala orgulhoso sobre o ofício.

Sua banca está localizada na rua Aroldo Antolini, no centro de Colatina, próximo ao prédio da previdência social e há poucos metros da prefeitura da cidade. A boa localização atraí mais ainda o público à sua banca

Como diferencial, Ronilson não espera que seu cliente ligue em sua banca para perguntar sobre alguma título. Para surpreender e efetivar a venda, a publicação é levada até o cliente, firmando assim a proximidade e conhecimento que ele possui sobre cada freguês.

Ele também sabe da importância do trabalho realizado pelo distribuidor local. Sua banca é atendida pela Distribuidora Jundia, que está localizada em Vitória, no Espirito Santo.

“Sou muito grato aos colegas da nossa distribuidora de revista local, que exercem excelente trabalho, nos proporcionando trabalhar de forma tranquila e eficaz em nosso dia a dia”, comenta.
Jovair, proprietário da distribuidora, valoriza o trabalho de Roni e admira toda a atenção que é dedicada ao ponto de venda e diz que a banca é uma das campeãs de venda em todo o Estado, o que, para ele, é uma surpresa, já que o ponto é localizado em Colatina e não na capital, onde costumeiramente as vendas são maiores. “Roni faz propagandas pelo Whatsapp com 50% dos produtos que recebe. Ele representa perfeitamente a combinação entre o ponto de venda (localização, organização e funcionamento) e o jornaleiro”, afirma Jovair.