A arte de atender bem

Com sessão de autógrafos, distribuição de flores e música ao vivo, jornaleiro do Tatuapé (SP) atrai pessoas de todas as idades para sua banca

Numa rua pacata do Tatuapé, na zona leste de São Paulo, mais de 3 000 pessoas se reuniram para uma tarde de autógrafoscom os atores da novela Carrossel, há dois anos. Engana-se quem pensa que esse foi um evento isolado. Em muitos domingos, festas com brindes e música ao vivo animam a rua. É assim, com celebrações que reúnem pessoas de todas as idades, que o jornaleiro Cornélio Curvelo de Barros, o Nélio, como é chamado, retribui a acolhida que teve no bairro, quando montou ali sua banca de jornais e revistas, há 36 anos.

A ideia de promover eventos surgiu quando Nélio mudou a banca de calçada e fez uma inauguração grandiosa, que atraiu cerca de 2 000 pessoas. As datas comemorativas entraram, então, para o calendário da banca. No Dia das Mães, por exemplo,Nélio distribui mais de 1 000 rosas. Além de animar o bairro e atrair pessoas até de outras regiões da cidade, as comemorações geram um aumento no movimento e nas vendas de jornais e revistas.

Atendimento caprichado

Mas conquistar espaço entre as grandes bancas da cidade não foi fácil para Nélio, que largou a profissão de bancário aos 22 anos, quando surgiu a possibilidade de fazer a paixão por jornais e revistas virar um negócio. Em 1980, ele comprou sua primeira banca e seguiu os passos do irmão, que já estava no ramo.

Tudo caminhava bem até que, em 1998, um temporal destruiu todas as publicações de sua banca. Foi preciso tempo e dinheiro para reerguer o negócio. “São coisas que a gente tem de superar com muita luta. Mas nunca desistir. Tudo faz parte da evolução da profissão e do negócio”, afirma Nélio. O segredo de seu sucesso não está apenas nos eventos, mas na gestão do negócio. Diz Nélio: “Todos são recebidos muito bem. Não há discriminação entre o morador de rua, o delegado ou o diretor de hospital. A atenção é a mesma para todos”. Atendimento ao cliente é um ponto que vem sendo aprimorado ao longo desses quase 40 anos e que ajudou na criação de um ambiente de convívio ao redor da banca.